Viver de Design

Viver de Design

23

É possível viver de Design? Essa é uma pergunta que a maioria de nós nos fazemos. O mercado, hoje, está longe de ser um paraíso, nem sempre é bem valorizado e o cliente ainda necessita desenvolver sua percepção sobre o valor do design para os negócios. Algumas empresas já estão percebendo que o visual é fundamental. Existe ainda uma outra opção, podemos ser “Empresários Designer”, abaixo explicarei o conceito.


O profissional de design ainda não é muito valorizado, porém o mercado já está mudando e a profissão vêm crescendo cada vez mais, por tanto a questão é, eu gosto de design ou vou entrar na profissão para ganhar dinheiro?


Se você escolheu a segunda opção, te garanto que há mil maneiras de ganhar a vida mais rápido do que sendo um designer. A profissão do momento é Engenharia, você ainda cursando a faculdade já tem emprego garantido e recebendo muito, pois o piso salarial de um engenheiro é mais de R$ 4.000,00. Porém… Nem sempre foi assim, há um tempo atrás os formados em Engenharia Civil, por exemplo, saíam das faculdades direto para os bancos. E não era para construí-los, mas para trabalhar como bancário mesmo. Isso ocorreu em um momento que o mercado estava lotado de tantos engenheiros. Pela lógica, os novos aspirantes à esta profissão acabaram por mudar de rumo diante da falta de emprego. Agora, tempos depois, a engenharia está superaquecida, onde estão os engenheiros? Para quem optou pelo que realmente gostava, há excelentes oportunidades hoje em dia. São ciclos, um dia é do engenheiro, outra quem sabe do designer. Este é o período do jornalismo. O curso foi o mais buscado na Fuvest em 2007 (segundo a Folha Online). Existem duas palavras essenciais para saber se você quer ser um designer: Paixão e Talento.


A área de design tem uma gama de setores, tais como: Layouts para sites e CD-ROMs, editoras (criação de capas de livros, por exemplo), agências de publicidade, televisão, revistas, cinema, criação de logotipos, embalagens e logotipos, empresas de design, produção de audiovisuais, anúncios, desenvolvimento de programas de design em informática, projetos de produtos (desenvolvimento de produtos considerando seus aspectos funcionais, estéticos e utilitários), trabalho com animações (geração de vinhetas, por exemplo), produção de desenhos técnicos e ilustrações, aplicação e projetos ergonômicos, administração de departamentos de design, gerenciamento de produtos industriais etc.



Na área de design, você também pode ser um empresário e gerenciar sua própria carreira. Pode trabalhar como freelancer, ou pode abrir uma empresa(agência de design). Vou falar um pouco do perfil empreendedor, pois ter um negócio próprio exige muito da pessoa. Veja se este é o seu perfil, mas se você não se encaixar em muitos dos critérios abaixo, não ache que tudo está acabado, o maior atributo do empreendedor é crer em si mesmo, então se você acredita em si, já é um bom começo!


  • Capacidade de assumir riscos: não ter medo de desafios, arriscar conscientemente. Calcular detalhadamente as chances do empreendimento ser um sucesso.

  • Senso de oportunidade: enxergar oportunidades onde outros só veem ameaças. Prestar atenção nos “furos” que outros empresários não viram e nos quais você pode atuar de forma eficaz, rápida e lucrativa.

  • Conhecimento do ramo: conhecer bem o ramo empresarial escolhido ou, melhor ainda, trabalhar no setor.

  • Organização: ter senso de organização e compreender que os resultados positivos só aparecem com a aplicação dos recursos de forma lógica, racional e funcional. Definir metas e executar ações de acordo com o que foi planejado inicialmente, corrigir erros.

  • Iniciativa e Garra: gostar de inovações. Não esperar pelos outros (parentes, sócios, vizinhos, governo etc.). Apresentar propostas sem se intimidar.

  • Liderança: Ter capacidade de influenciar pessoas, conduzindo-as em direção às suas ideias ou soluções de problemas. Ter habilidade para definir tarefas, orientar, delegar responsabilidades, solucionar problemas. Responsabilidade para valorizar o empregado, formar uma cultura na empresa para alcançar seus objetivos. Ser alguém em que todos confiam.

  • Manter-se atualizado: buscar sempre novas informações e aprender tudo o que for relacionado com o seu negócio (clientes, fornecedores, parceiros, concorrentes, colaboradores etc.).

  • Ser otimista, realista e saber motivar-se.


Se você se encaixa nas características acima, então já é um bom indício. Porém nem sempre todas estas características marcam a personalidade de uma pessoa, no entanto é possível desenvolver-se e buscar informações em centros tecnológicos, cursos, livros e revistas especializadas, também é possível contar com pessoas que trabalham na área. O seu sucesso depende de várias decisões que você deve tomar antes de abrir as portas para o cliente. Para fundamentar essas decisões você deverá pesquisar e montar um plano de negócio, com o qual você aprenderá muito mais a respeito do ramo de atividade escolhido e o seu mercado.


Alguns podem dizer que é difícil trabalhar autonomamente, pois é complicado se posicionar no mercado, porém todas as profissões de empresariado, e prestação de serviços, dependem disso. O posicionamento é toda informação que lembramos de nossa memória ao ver ou ouvir determinada marca. É a lembrança, a primeira imagem que nos vem à mente quando pensamos numa pessoa, lugar, produto, serviço etc. Um dos principais objetivos de um profissional ou empresa é estabelecer para o mercado, de uma forma geral, e especificamente para o seu público-alvo, um posicionamento forte e consistente. Isso leva tempo, custa dinheiro e requer um trabalho muito bem executado, mas uma vez bem posicionada, uma marca cria a sua volta uma série de barreiras que a defende dos concorrentes.


Em contato com a ADG (Associação dos Designers Gráficos), para saber o valor médio do sálario para um designer, obtive a seguinte resposta:


- Designer Júnior – R$ 960,45


- Designer Pleno – R$ 1.651,78


- Designer Sênior - R$ 2.414,46


Para finalizar vou deixar aqui a dica do Livro “Viver de Design”, de Gilberto Strunck, publicado pela Editora 2AB.