Tudo que você precisa saber sobre duplas para não parecer um idiota

Tudo que você precisa saber sobre duplas para não parecer um idiota

0

Quando se pensa em tênis, vulgo MELHOR ESPORTE DO MUNDO, é mais que unanimidade lembrar de Guga (no caso dos brasileiros), Federer, Nadal, Agassi, Sampras e cia, porém pra algumas pessoas, também é pensar em Bryans, Melo, Matkowski, Zimonjic e Bopanna. Não entendeu nada? Então segure essa curiosidade que em breve você verá o que esses personagens tem em comum e que eles podem ser tão (ou até mais) atrativos que a primeira turma listada.

 

Falar de tênis pra mim é muito mais que simplesmente mostrar exemplos ou listar acontecimentos. Tênis é meu grande hobbie e paixão. Admito que deveria jogar mais e falar menos, mas ultimamente tenho apenas me recolhido a assistir e a aprender cada vez mais com o esporte à qual acompanho fielmente o circuito a mais de 13 anos.

 

Voltando a proposta do texto, quero mostrar pra vocês alguns erros e falácias proferidas por pseudo-entendedores do esporte, focando principalmente no misterioso “submundo” das duplas masculinas na ATP. Se você chegou até aqui, já deve ter percebido que os nomes “desconhecidos” no primeiro parágrafo se tratam de tenistas que predominantemente jogam o circuito de duplas da ATP. Sendo assim, em cada tópico utilizarei a enumeração ao invés de um texto corrido, para facilitar ainda mais pra você que não entende sobre o assunto.

 

Como funciona

 

1- O jogo de duplas no tênis consiste em 2 jogadores parceiros de cada lado da quadra (dããã).

 

2- Além disso, a quadra possui dimensões maiores nas laterais e existe a alternância de saque entre os jogadores de time.

 

3- Obrigatoriamente em torneios da ATP e ITF teremos simultaneamente os torneios de simples e duplas acontecendo, ou seja, mesmo que você ache tênis é Apenas Federer e Nadal, tem sim um torneio de duplas acontecendo simultaneamente a chave de simples (aquela que Federer e Nadal jogam e você assiste no Sportv, enquanto tweeta #TeamFederer #AmoTenis).

 

4- Jogadores podem utilizar o ranking de simples podem adentrar as listas de entrada da chave de duplas com o ranking de simples, o contrário não… E isso tem sido muito prejudicial para os “duplistas”, já falo o por que.

 

5- Torneio na mesma “pegada” da chave de simples, com confrontos eliminatórios até se chegar à dupla campeã.

 

6- O jogo de duplas conta com um terceiro set no formato de match tie break, que consiste na mesma metodologia do tie break de set, porém se encerra em 10 pontos, aos invés de 7.

 

7- As duplas não possuem a vantagem (no ad). Quando o game se iguala em 40-40, a dupla recebedora escolhe qual dos dois jogadores irá receber o saque; o vencedor do ponto leva o game.

 

8- A chave de duplas, diferentemente da de simples, não possui o torneio qualificatório, sendo assim, apenas as duplas inscritas previamente, as formadas na hora (de acordo com o ranking) e as convidadas disputam o torneio. ps: Os torneios da série 500 estão começando a incluir o torneio classificatório em sua pauta, mas ainda com muita falta de organização. O Rio Open desse ano por exemplo não teve o torneio classificatório para as duplas.

 

Em um jogo de duplas, vale toda a extensão da quadra. | Crédito: querojogartenis.com.br

Em um jogo de duplas, vale toda a extensão da quadra. | Crédito: querojogartenis.com.br

 

Bate-Bola: Perguntas idiotas e respostas cretinas

 

Enquanto você ainda tem esse nariz torcido para o jogo de pares e está se questionando por que deveria assistir ou dar importância a esses “desconhecidos”. Mentalmente enquanto quero lhe agredir, elaborei algumas perguntas comuns entre os “leigos” no mundo das duplas e na qual eu mesmo respondo.

 

Para não dar nenhum problema de você se identificar com o texto, ficar irritado e querer me processar, vamos chamar o cidadão que pergunta de senhor P (não, não é inicial de ninguém, apenas é um P de pergunta, sem mimimi)
Vamos lá.

 

P: Por que “simplistas” utilizando seus rankings de simples para entrar na chave de duplas é ruim para os duplistas?

 

R: Simplesmente pelo fato que muitas boas duplas ficam de fora da lista de entrada na chave para alguns “simplistas” apenas fazerem figuração , ou então jogar seriamente, mas em caso de ir longe na chave de simples, se desinteressarem por continuar na disputa.

 

P: Eles são pouco expostos na mídia, mas a premiação é a mesma?

 

R: Não, infelizmente o circuito de duplas ainda sofre demais com a diferença de premiação comparado com a chave de simples, onde além de ser ua premiação bastante inferior a chave de simples, no final ainda é divida entre os dois jogadores, confira a evolução na premiação das duplas no portal Match Tie Break.

 

P: Quem são esses que você falou no inicio da matéria e por que eles são tao “velhos”?

 

R: Primeiramente, velho e arcaico é seu pensamento acerca do esporte. O jogo de duplas exige menos do físico e isso se diretamente proporcional a longevidade dos atletas.

 

P: Ahhh, então duplas é mais fácil, cansa menos.

 

R: Não, o que cansa pouco é ficar ai sentado no sofá, comendo Doritoz e falando besteira. O jogo de duplas utiliza variáveis diferentes das partidas de simples, não só pela quadra maior, mas pelo fato do modelo de disputa e pelo óbvio fato de ter mais uma pessoa de cada lado da quadra. Saque, voleio, movimentação e principalmente a estratégia em cada ponto é essencial para o êxito dentro da disputa. Duplas é como outro esporte, onde nem sempre o mais completo vence. Vence a equipe mais preparada pra conseguir ler e interpretar as brechas dentro da disputa, lembrando que cada dupla que você enfrenta é uma estratégia a ser seguida. Mas é óbvio, também é preciso ter qualidade, não adianta somente entender e ler o jogo, precisa ser bom.

 

P: HAHAHA! Olha esse tal de Marcin Matkowski, da Polônia… O cara é barrigudo, até eu posso ir lá e jogar duplas então.

 

R: Pode… Pode ir lá passar vergonha e voltar pra casa (Mentira, não pode não… A ATP não é seu clube). O jogo de duplas é muito competitivo e pela complexidade de variáveis listadas acima, menos previsível. O polonês em questão é sim acima do peso, mas isso não impede de o mesmo obter potência em seus golpes e uma boa presença de rede. Um dia quem sabe você sai da bolha da ignorância e procura realmente vê-lo jogar.

 

O "gordinho" Marcin Matkowski ao lado de seu ex parceiro, Mariusz Fyrstenberg. | Crédito: ITF

O “gordinho” Marcin Matkowski ao lado de seu ex parceiro, Mariusz Fyrstenberg. | Crédito: ITF

 

P: Hmmm, ainda não me convenceu de assistir, tem algum brasileiro bom nisso aí?

 

R: Temos sim! Marcelo Melo é o atual número 3 do mundo, Bruno Soares que já foi número 3 também, além do André Sá, aquele mesmo da época do Guga, ele ainda joga profissionalmente nas duplas e ainda é muito bom.

 

P: Esses ai nunca vão chegar aos pés do Guga, ninguém conhece esses aí… Guga foi o melhor da história do tênis.

 

R: Próxima pergunta, por favor… (Antes que eu te mate!)

 

P: Simplistas são melhores que os duplistas, dupla é a segunda divisão do tênis.

 

R: Realmente se você pensa isso, creio que além de não saber nada de tênis, vive outro padrão de realidade. Antes que eu te jogue pela janela, vou tentar ser mais didático pra seu cérebro de amendoim conseguir captar a mensagem.

 

Os jogadores de simples são realmente mais completos, porém duplas é outro jogo, outra pegada, outra estratégia, ou seja, outro tudo. Com essa variedade de possibilidades de jogadas, movimentação e etc, é possível anular outras qualidades do adversário, sendo assim, as vezes uma boa presença de rede e uma ótima estratégia nos pontos, pode levar à vitória. Nas duplas não existe espaço para hesitar, os pontos são mais rápidos. Vejo duplas como um imenso algoritmo a ser decifrado, onde cada ponto tem uma leitura diferente e cada jogo é um jogo a ser estudo de maneiras distintas.

 

Duplas é apaixonante e extremamente atrativo, o problema é a pouca exposição da mídia e a falta de “vontade” da ATP em estruturar uma boa exposição da marca.

 

Falta espaço, falta vontade, só não falta emoção.

 

Em meio a burocracia, falta de apoio, falta de exposição, o jogo de duplas vai ficando cada vez mais escondido dentro da imensidão de Federer, Nadal e cia. É realmente triste querer assistir a seu tenista favorito e sempre ter que se contentar com o livescore (transmissão apenas do placar em tempo real).

 

No momento está sendo disputado o Master 1000 de Indian Wells (Sim, é um torneio importante, procura no Google). A chave de duplas é simplesmente ignorada pela ATP e a detentora dos diretos de transmissão, é como se fosse um imenso e vazio NADA. Nem um joguinho sequer.

 

Ontem tivemos um excelente jogo que colocava de um lado a maior dupla da história e atual dupla número 1 do mundo, Bob e Mike Bryan, contra os jovens e talentosíssimos Jack Sock, dos Estados Unidos e Vasek Pospisil, do Canadá. Um jogo atrativo para o público americano e possivelmente atrativo pro fã de tênis, mesmo que na quadra central, foi deixado de lado. Essa mesma medida de falta de transmissão tem sido adotada nos grandes torneios da ATP, é estarrecedor.

 

É triste, revoltante e no mínimo desrespeitoso com os atletas a forma como tem sido a gestão do jogo de duplas. Enquanto isso durar, os nomes citados no início da matéria serão sempre desconhecidos e pior que isso, descartáveis.

 

Enquanto isso convido vocês também a conhecerem o único site de tênis especializado no jogo de duplas, o Match Tie break, de Aliny Calejon.

 

Acompanhe alguns dos lances da Final do Masters 1000 de Paris 2014 entre Bob e Mike Bryan x Marcin Matkowski e Jurgen Melzer.

 

Link Youtube |Final do Masters 1000 de Paris 2014.

 

Um pouco mais dos melhores da história, as vítimas dessa vez foram o brasileiro Marcelo Melo e o croata Ivan Dodig, na final ATP Tour Finals London 2014. Vitória e título dos Bryans no match tie break

 

Link Youtube |Final do ATP Finals 2014.

 

Abraço a todos e vida longa as duplas.

Victor Fortunato
Carioca, Victor Fortunato além de repórter e editor da Feedback, mantém sua paixão pelo universo editorial e é um dos integrantes do canal Cariocando no YouTube.

Leia também...

 
Dê mais vida a Feedback Mag., para sua imagem aparecer ao lado de seu nome nos comentários, cadastre-se no Gravatar usando o mesmo e-mail com o qual você comenta aqui na revista. Leva 2 minutos.