Triste vida de um #socialmediadadepressão

Triste vida de um #socialmediadadepressão

1

Para ser um #socialmediadadepressão, não basta saber criar uma fan page e colocar imagens bonitinhas no facebook: você precisa saber usar as ferramentas, entender as métricas, saber o que é melhor no mercado e… Socorro!!! É nessa hora que você percebe que ainda falta MUITO pra ser um bom profissional. Todo mundo sabe quais ferramentas utilizar, menos você.


Para não ficar obsoleto e entender um pouco mais, você pensa em se matricular em vários cursos – porque social media não se contenta em saber um pouquinho, quer logo abraçar o mundo. Os cursos, no entanto, são sempre em outro estado e o salário é baixo para pagar as despesas. Isso porque esse ano você ainda se dividiu entre Campus Party, Social Media Brasil, entre outros eventos imperdíveis. A maioria fica completamente fora do seu orçamento.


São caros, mas valem a pena.

São caros, mas valem a pena.


A solução para isso tudo? Você resolve pegar uns freelas para conseguir bancar melhor seus cursos, encontros, eventos e tudo mais que existe para ser um #socialmediadadepressão melhor. Aí é que a sua vida social vai para o espaço: a pessoa que você namora reclama que você só tem tempo para trabalhar e estudar, seus amigos não o veem há tempos e até a sua mãe reclama que você precisa sair um pouco mais de casa, ver gente. Quando chega nesse estágio, a coisa realmente fica feia.


Depois de um tempo, você finalmente consegue se estabelecer no mercado, aprende a utilizar as ferramentas, descobre quais posts podem ser mais relevantes e entende a linguagem da xoxo media. Claro que o final não é esse. Quando você está se acostumando com o trabalho, as redes sociais mudam e você precisa, mais uma vez, apanhar para entender o que está acontecendo, e outras métricas e sistemas de monitoramento surgem, para o seu desespero.


O que fazer num momento desses? Respire fundo, faça a diva e tente procurar nos grupos do facebook o que os coleguinhas andam dizendo a respeito das mudanças. Você vai ler um monte de coisa que não presta, mas até que alguns conteúdos são relevantes. Até que os sites façam a próxima mudança, e você tenha um novo surto de desespero por ter que entregar o relatório já com as implementações. É dura a vida de analista.