Contos e Crônicas

No fim tudo dá certo

8
No fim tudo dá certo

– Calma menina, no final tudo dá certo! – dizia uma amiga tentando tranquilizar outra.


Esta cena me fez pensar que ao longo da minha vida não foram poucas as vezes que escutei essa frase, não sei se as pessoas dizem isso apenas em determinado momento para confortar ou se acreditam de fato nisso.

Continue lendo...

Paraíso dos Mortos – O Nerd

7
Paraíso dos Mortos – O Nerd

Saindo do bar em que estavam escondidos, Leônidas, William e Ketelyn ouvem disparos vindos da direção do condomínio.

Continue lendo...

Pigmaleandro

4
Pigmaleandro

Era uma tarde de fina garoa, como de costume naquela estação do ano em São Paulo, mas isso não servia de empecilho para que Leandro mudasse sua trajetória costumeira e, mais uma vez, lá estava ele, pela calçada beirando a vitrine da exótica loja de uma das ruas mais movimentadas da cidade. Seu olhar era certeiro, no canto direito próximo ao balcão do caixa, onde aquela linda obra prima o...

Continue lendo...

Brincadeira de Polícia e Bandido – Da honra à vergonha e
as políticas públicas paralelas

7
Brincadeira de Polícia e Bandido – Da honra à vergonha e<br /> as políticas públicas paralelas

Uma das profissões mais honrosas de que se tem notícia, sem dúvida, é a de policial. Homens fortes, inteligentes, corajosos e de moral inquestionável. Foi essa a imagem que tivemos durante anos. E quando começamos a ouvir falar de policiais corruptos, o espanto foi grande. Ver um herói entregar ou receber o ouro das mãos do bandido não fazia parte de nossa cultura. Não cabe aqui a generalização, pois temos...

Continue lendo...

Brincadeira de Polícia e Bandido – O vilão e o herói

4
Brincadeira de Polícia e Bandido – O vilão e o herói

Nos últimos anos, os policiais passaram a ser os grandes vilões da nossa sociedade. Em alguns casos, os homens que são pagos para nos proteger nos agridem e se corrompem. O bandido perdeu esse posto de vilão ao passo que a sociedade interpreta suas ações como o esperado de sua posição social, enquanto uns policiais fazem o inverso do que se espera deles. Segundo o Secretário de Direitos Humanos, em...

Continue lendo...

Na alegria e na tristeza… Até que o IDEB nos separe.

4
Na alegria e na tristeza… Até que o IDEB nos separe.

O depoimento da professora, há dias atrás, trouxe à tona uma problemática que há muito vem sido discutida e enfrentada pelos profissionais da educação. Eu, como representante da classe, posso falar do assunto com bastante propriedade.

Continue lendo...

Brincadeira de Polícia e Bandido – O menino-bomba

4
Brincadeira de Polícia e Bandido – O menino-bomba

Em entrevista ao jornalista Tom Cardoso, da Revista do Brasil, do mês de outubro de 2007, o jornalista da Rede Globo de Televisão, Caco Barcellos, que escreveu o livro "Abusado, o dono do morro Dona Marta", sobre o traficante Marcinho VP, traça um comparativo entre os jovens das favelas cariocas e os meninos que vivem na Faixa de Gaza.

Continue lendo...

A merda é feia

1
A merda é feia

Afro Xis, sujeito malandro, comedor nato, estava curtindo uma festa na companhia de seus inseparáveis amigos Pinaldo, Jeguinho e Afro Jota, seu irmão, quando de repente, como um raio de sol no meio da madrugada, surge a terrível Berí. Uma mulata de um naipe que até mesmo Sargentelli a surraria em praça pública. Um metro e setenta mais ou menos, cinturinha de pilão, belíssimos seios que beiravam o umbigo. Linda...

Continue lendo...

Não

2
Não

Durante os seus 46 anos de vida, André nunca havia se sentido tão mal como nesse exato momento. Pessoa pacata, na visão de alguns era um covarde, pois não só fugia de qualquer briga, coisa que poderia se entender por seu corpo franzino, mas também pelo fato de não se impor às pessoas. Ele não conseguia dizer a palavra "não" para ninguém que levantasse a voz um pouco ou insistisse...

Continue lendo...

Viúvo

1
Viúvo

Em meio a penumbra, uma silhueta feminina digna e honrada sobrepunha-se a toda e qualquer escuridão que viesse corajosamente, diga-se de passagem, me assolar na hora de dormir. Sim, é bem verdade que eu não era dos mais corajosos. Também não era dos mais fortes, nem dos mais bonitos. Entretanto, Maria me amava. E a recíproca era verdadeira. Eu só tinha 7. Ela? 17. Algum problema?

Continue lendo...