Resenha: Agent Carter

Resenha: Agent Carter

1

A Marvel voltou com tudo em 2016, no cinema e na TV. Uma série que muitas pessoas não têm conhecimento de estar em exibição, é Agent Carter. Sério, que furo! Além da série não ser muito comentada no Brasil, os fãs brasileiros muitas vezes se esquecem desta personagem que é tão importante no universo dos quadrinhos.

 

Peggy Carter, agente da S.S.R., que veio antes da S.H.I.E.L.D., foi pioneira na Segunda Guerra, ao lado do lendário Capitão América (o qual também foi seu par por um curto período de tempo, sad :c). A primeira temporada, com oito episódios, se passa em Nova York, exatamente após a Segunda Guerra e numa época em que Howard Stark (pegou a referência?) é acusado de vender suas armas no mercado negro. Peggy e Howard são muito amigos e, por isso, ele a contata para ajuda-lo a limpar seu nome.

 

Peggy Carter e Howard Stark, pai de Tony

 

Mas isso foi só um briefing da vida corrida e arriscada de Peggy. Durante toda a primeira temporada ela tem que lidar com a falta de Steve e com suas missões secretas junto ao fiel mordomo de Howard, Sr. Jarvis, mas vamos falar dele depois. Em um tempo em que as mulheres ainda não eram reconhecidas por seu trabalho, Peggy também tem que encarar o seu superior muito inconveniente, Jack Thompson, e, na maioria das vezes, bater de frente com ele e mostrar pra toda a agência do que ela é capaz. Além de tudo isso, outros problemas surgem no caminho de Peggy, quando ela tenta inocentar seu amigo.

 

Entretanto, vamos ao que aconteceu esse ano. Em janeiro de 2016, foi lançada a segunda temporada de Agent Carter, e sim ela voltou com muita ação e, logo no primeiro episódio, Peggy é chamada para uma investigação, mas desta vez em Los Angeles. O tom da série muda um pouco nesses novos episódios (deve ser pelo novo ambiente em que nossa agente se encontra), ela veio com uma pitada a mais de humor e dando maiores destaques para alguns personagens.

 

O mordomo de Stark, Sr. Jarvis, ajudante de Peggy em suas missões, está de volta mais divertido, e dessa vez com mais espaço e mais participação na série. De igual modo, sua esposa aparece pela primeira vez e, surpreendentemente, ganha um papel fundamental para o desenvolvimento do enredo. O vilão desta nova fase, aparentemente, é outro. Mas, não se deixe enganar, tudo está ligado à primeira temporada e você se sente parte da equipe da S.S.R. quando cai a ficha.

 

Peggy e Sr. Jarvis em L.A.: não só o mordomo de Stark tem grande participação nessa temporada, como também sua esposa

 

Conforme nós andamos, de vez em quando entra uma pedra no nosso sapato. As vezes ela insiste em nos incomodar. A pedra no sapato de Peggy é Jack Thompson e ele está lá novamente para atrapalhar sua vida. É incrível como não se pode decidir se você o odeia ou se você o ama durante toda a temporada, porque ele consegue ser o mocinho e o vilão de uma hora pra outra e indo pros últimos episódios, parece que ele quer se redimir.

 

Ah e não nos esquecendo da vida amorosa de nossa estrela, que está em grande evidência nessa fase, Peggy se sente dividida entre seu atual chefe em Los Angeles e um cientista, o qual precisa de ajuda para retomar a vida. Além disso, podemos descobrir mais sobre o passado de Peggy e o que a levou a ser uma agente do governo.

 

Jack Thompson está de volta. Ame-o ou deteste-o.

 

Enfim, como não amar essa série? O que mais me deixou feliz é que a atriz que interpreta a personagem principal é a mesma que vimos no primeiro filme do Capitão América, o primeiro vingador, e há algumas referências do filme, ainda na primeira temporada. Toda a trama tem um equilíbrio entre o drama, ação e o clássico humor Marvel. Vemos também alguns erros de roteiro em um episódio ou outro, mas nada tão absurdo, apenas dá pra confundir um pouco a cabeça, porém, logo tudo se encaixa.

 

Já na segunda temporada, a série voltou com uma pegada diferente e com um ar mais envolvente, no qual você se identifica fácil com algum personagem e torce para ele. Sem falar na trilha sonora dos anos 40, que está totalmente presente em todos os episódios, desde a primeira temporada, mas com mais ênfase dessa vez. O final é de parar o coração e o que o leva a ser tão incrível é a sensação de frustração e conquista que temos quando tudo acaba.

 

Acaba? Ops, não exatamente. A série foi renovada! Yay!!! E já temos uma pista de que a vida da agente Carter não vai ser mais fácil do que nas duas primeiras temporadas e já podemos ficar ansiosos para a Season 3. Será que ela continuará em L.A. ou vai nos levar a conhecer outro local dos Estados Unidos, com todo o seu charme nos anos 40? Façam suas apostas!
Esta resenha foi um pouco atrasada? Talvez. Mas o importante é que a série é boa, risos.
Nos vemos numa próxima resenha.
:)

Stella Barros
Stella Barros é estudante de Turismo, mas tem um pezinho no Jornalismo. Tem 18 anos, é apaixonada por livros, filmes e fotografia. Recentemente, criou um blog, para falar de assuntos cotidianos, e um canal literário no YouTube. Ela acredita no sonho maior de viajar o mundo e conhecer Londres.

Leia também...

 
Dê mais vida a Feedback Mag., para sua imagem aparecer ao lado de seu nome nos comentários, cadastre-se no Gravatar usando o mesmo e-mail com o qual você comenta aqui na revista. Leva 2 minutos.
 
  • Leonardo Tigro

    Ainda não passei da 1ª temporada, confesso que desanimei. Isso porque assisto mais de 30 séries e não dá pra acompanhar tudo, rs. Depois dessa resenha me deu vontade de ver alguns ep’s. Valeu.