Repensando a existência

Repensando a existência

2

Nosso pensamento é um canal para atrair energias em nossa direção, seja desejos, informações ou pensamentos positivos. Isto geralmente acontece comigo, às vezes em bom sentido ou mau também. Tudo depende do direcionamento das atitudes positivas em que estamos focados.


Recentemente estava navegando na internet e vi um vídeo no youtube sobre o Nick Vujicic, fiquei curiosa em saber mais sobre o cara. Ele nasceu com uma deficiência genética, sem braços e pernas, toda a história dele no vídeo me fez parar e pensar como reclamamos da vida. Na mesma semana fiquei sabendo que ele daria uma palestra numa igreja cristã aqui em San Diego, próxima a minha casa. Decidi que eu deveria ir, e também levar minha filha de 9 anos, para que ela aprendesse desde pequena sobre como fazer a diferença neste mundo e ajudar ao próximo. Ela ficou encantada com ele assim como eu, com a história de vida e superação, e como ele vem motivando estudantes, profissionais e famílias em mais de 100 países.


Agora reflita um pouco… Como podemos reclamar da vida? Como podemos nos acomodar? Como podemos ter sonhos e não tentar realizá-los? Como temos dois braços e duas pernas, mas não sabemos utilizá-los? Podemos sim estender o coração ao próximo e nos envolver mais com os problemas em nossa volta! É muito fácil se omitir e achar soluções para os problemas pessoais, da família ou dos vizinhos, mas e o resto da comunidade e os problemas de ordem social e mundial?! Descobrir como podemos sair do nosso ninho ou círculo e começar a agir, esse é o desafio em questão.


Como podemos unir forças em um mundo descompensado espiritualmente, socialmente, ambientalmente e economicamente? Tragédias recentes como as do Japão, da Austrália e as enchentes no Brasil, e ainda a fome e as doenças que vem devastando a África, me fazem pensar o quanto precisamos de corações e mentes brilhantes – como a de Nick Vujicic – dentro de cada tomador de decisão, em cada país e em cada família, para mudar este mundo em colapso.


Já passei por guerras de ordem social e civil no Brasil, dois terremotos em San Diego; todas estas experiências me fizeram olhar para o que tenho feito em prol dos outros e perceber o real sentido da vida. Não podemos ignorar uma criança perdida na rua, sem luz e sem futuro, ou mesmo alguém que não tem um prato de comida na mesa. Como podemos ter tudo, ter essa força dentro de nós, e fazermos tão pouco?


Não poderia deixar de enviar esta mensagem em um momento tão crítico emocionalmente e espiritualmente. Mude hoje! Como você pode ajudar? Como você irá ajudar a colocar um curativo neste planeta que sangra, nos corações sem esperanças e na natureza destruída pelo maus tratos do ser humano?

Cristiane Henriques
Cristiane Henriques é formada em Administração de Empresas e possui MBA em Marketing. Atualmente trabalha online como Analista de Marketing para uma empresa no Brasil, também é responsável por vários canais de mídia social. Gosta de estar sempre apendendo, viajar, ler, arte e praticar esportes.

Leia também...

 
Dê mais vida a Feedback Mag., para sua imagem aparecer ao lado de seu nome nos comentários, cadastre-se no Gravatar usando o mesmo e-mail com o qual você comenta aqui na revista. Leva 2 minutos.
 
  • Diego de Lacerda

    Eu fico pensando nisso, tenho sido, como sempre, um crítico da humanidade de poltrona.

    Existem por aí diversas Igrejas e instituições (religiosas ou não) que fazem trabalhos sociais interessantes.

    Se você não pode ser engajar na luta, que ao menos colabore, ajude a divulgar, com materiais e por aí vai.

    Sempre é possível fazer mais, sempre.

    Basta ter força de vontade, senso de responsabilidade e sede de justiça.

  • Fernando Henriques

    Eu já conhecia o Nick pelos seus vídeos, após descobrir o primeiro, busquei outros e também saber sobre ele. Realmente um cara que inspira, como você mesma disse, nos faz repensar a vida.