Pra perdoar não precisa estar perto

Pra perdoar não precisa estar perto

7

Fim de ano, Natal, todo mundo fazendo retrospectiva, colocando as coisas na balança, revendo seus momentos e ações mais importantes do ano. O que fez, o que deixou de fazer, o que se viu obrigado a fazer. Pensamos também nas pessoas. Quem esteve presente, quem se tornou próximo, quem foi embora e aqueles que fomos obrigados a tirar de nossas vidas.

 

Esse clima de paz, amor, caridade e renovação… é foda. É um momento tenso na vida de qualquer um. Porque todo mundo vai pensar naquele ex-canalha, mas que sabia fazer uma ótima massagem. Naquela amiga falsa, mas que era super engraçada. Naquela chefe que nunca te deu nenhum aumento, mas sempre te liberava do trabalho quando você precisava.

 

Isso se existir ex-canalha...

Isso se existir ex-canalha…

 

E você, tomada por essa onda da benevolência, começa a pensar que “todo mundo tem defeito, mas que todo mundo também tem qualidade. E que o bom é perdoar e ser perdoado e vamos todos ser amigos, fazer o bem…” Calma aí, né? Não sei de onde veio essa ideia de que só perdoamos alguém de verdade se aceitarmos olhar pra cara da pessoa todo santo dia. Quando foi que “perdoar” e “conviver” viraram sinônimos?

 

Seu ex era ótimo nas massagens (e preliminares, e mordidas…) e passava horas conversando com a sua avó. Mas ele também aprontou com você, te magoou, mentiu. E pegou aquela piriguete três horas depois de vocês terem terminado. Ele merece ser perdoado pelos momentos bons que te proporcionou? Tudo bem, perdoe. Mas não precisa ficar de conversinha, nem mantendo contato com a família ou contando seus planos pro futuro. Passou, acabou. Que ele nunca mais erre com ninguém e que venha o seu próximo.

 

Vale para as amizades também.

Vale para as amizades também.

 

Sua amiga era super engraçada, sabia sempre das melhores festas e tinha vários amigos gatos. Mas ela falava mal de você para todos eles. Ela te xingava de vaca e era grossa com você “porque amigos de verdade se tratam assim mesmo”, mas gata, eu tenho amigas e… a gente não se trata assim não.
O clima da empresa era ótimo, sua chefe era gente boa e sempre quebrava o seu galho quando você precisava faltar ou entregar o relatório de sexta, na segunda. Mas ela nunca estava disponível para falar sobre o seu possível aumento.

 

Vê se aprende: Perdoar faz bem, mas conviver não é prova disso. Existem pessoas que não precisam ficar na sua vida, nem saber do que acontece no seu dia a dia, sabe por que? Porque elas não acrescentam em nada. E ainda tiram a sua atenção, o seu sorriso, o seu momento bom e até a sua boa vontade. E graças a Deus, dá pra perdoar de longe. Então dê a sua benção e deixe ir.

Jéssica Mendes
Carioca da Barra da Tijuca, 25 anos, dentista especializada em prótese. Porém, como o mercado odontológico tá mais caído que dentadura velha, tento fazer as pessoas rirem de outra forma... Por incrível que pareça, acredito no amor. Para maiores desilusões, acessem: Desiludindo S/A.

Leia também...

 
Dê mais vida a Feedback Mag., para sua imagem aparecer ao lado de seu nome nos comentários, cadastre-se no Gravatar usando o mesmo e-mail com o qual você comenta aqui na revista. Leva 2 minutos.
 
  • http://www.facebook.com/alinestarchild Aline Starchild Landin

    Concordo em gênero, número e grau. Conviver com pessoas que te deixam “pra baixo”, se sentindo mal é se punir. Perdoar é uma coisa, querer essa pessoa na sua vida, convivendo com você, é outra. E convenhamos, ninguém merece tamanha punição.

    • Jéssica Mendes

      Pois é Aline! Conviver muitas vezes pode até dificultar o perdão. Quando nos afastamos da pessoa, nos afastamos também das memórias que nos remetem a situação do trauma… Nos preenchemos com outras coisas, e só assim conseguimos esquecer (ou pelo menos não lembrar com frequência) do que aconteceu.

  • Karen

    Muuuito bom!

  • Cáh

    Uau, nunca em nenhum texto me identifiquei tanto. É fato que, em alguns relacionamentos só priorizamos os pontos positivos então perdoamos e “esquecemos”, até (é claro) acontecer outra vez. Mal vemos que estamos nos auto destruindo de uma forma trágica e rápida.

    • yasmin

      Falou tudo!

  • http://www.facebook.com/shirley.moreno.75 Shirley Moreno

    De uns anos pra cá, fiz exatamente assim, perdoei pessoas, mas intimidade nunca mais, e quer saber fiquei bem melhor assim, Não dou segunda chance de ser magoada. Me identifiquei demais e concordo q dá pra perdoar de longe.

  • Isabela

    Perfeito!!