Filmes que você não viu: Apenas o Fim

Filmes que você não viu: Apenas o Fim

3

Apenas o Fim é um filme caseiro, e quando digo caseiro me refiro ao fato de ser apreciado por um determinado grupo da sociedade, através de uma linguagem específica. Um filme que tem por objetivo causar no telespectador uma identificação com os personagens, portanto, se você é da mesma “casa” que Matheus Souza (diretor do filme) e seus amigos, com certeza irá amar Apenas o Fim.


Pôster de Apenas o Fim.O filme é estrelado pelos ótimos Gregório Duviver e Érika Mader, tendo participações de Nathalia Dill, Álamo Facó, Julia Gorman, Marcelo Adnet e Anna Sophia Folch. Uma galera boa que em 2008 não tinha o reconhecimento que tem hoje. E verdade seja dita, ninguém no país havia feito algo assim antes. O roteirista e diretor Matheus Souza, estudante de cinema da PUC do Rio de Janeiro (usada como locação para o filme), mesclou todos os melhores elementos da cultura pop da última década, a vida real de uma geração, e colocou em Apenas o Fim. Talvez por isso o filme tenha ganho o prêmio do público, além de uma menção honrosa do júri, no Festival do Rio de 2008.


Um filme altamente referencial, como Quase Famosos, de Cameron Crowe, que retrata fielmente o espírito jovem da década de 70. Talvez exista até uma influência de Matheus por esta obra, apesar da narrativa do filme ser totalmente diferente. São discussões entre um casal estranho de jovens que estão cursando a mesma faculdade, e no meio dela surgem várias conversas sobre filmes, séries e até o desejo de ver Britney Spears pelada! Apenas o Fim divide gostos com seus espectadores, e assim acaba por retratar uma geração de brasileiros que foi diretamente influenciada pela cultura pop americana (eu fui, e tenho orgulho disso).


Apesar da qualidade na dramaturgia, é notório a falta de recursos para uma produção mais pomposa. Algo que não é nenhum demérito e só contribui com ainda mais aplausos que devemos a Matheus Souza. Existem relatos que ele chegou até a fazer uma rifa de um whisky para arrecadar dinheiro e filmar Apenas o Fim.


Nesta trama centrada praticamente em apenas dois personagens, o realismo é muito importante. Adriana (Érika Mader) e Antônio (Gregório Duviver) – o casal estranho – estudam cinema. A relação amorosa entre eles é temperada por paixão, dor e sentimentos ambíguos, como um bom roteiro de Hollywood. Neste contexto, repleto de detalhes aparentemente superficiais, como o quê cursam na faculdade, é que o espectador se sente a vontade e no direito de em sua mente protagonizar o filme, sendo empático com os personagens. O casal discute temas como o fato de Transformers ser, ou não, o melhor filme de todos os tempos. E você assistindo pondera os argumentos apresentados querendo concordar ou não com um ou outro, essa é a interação proposta pelo filme.


Os dois atores fazem seu trabalho com a competência que hoje lhes é reconhecida até pelo grande público, em Apenas o Fim eles provaram seu valor e não deram espaços para questionamentos. Pelos menos eu não tenho o quê questionar, simplesmente me diverti muito vendo o filme e tenho certeza que outros jovens da mesma época curtiram de igual forma o trabalho de Matheus Souza e seu elenco.


LinkYoutube | Trailer oficial do filme.

Fernando Henriques
Idealizador e editor desta revista, Fernando Henriques é um consumista informacional. Formado bacharel em Ciências da Computação, encontra na Comunicação um elo natural. Viciado em séries, filmes, rock, MMA, política e desafios.

Leia também...

 
Dê mais vida a Feedback Mag., para sua imagem aparecer ao lado de seu nome nos comentários, cadastre-se no Gravatar usando o mesmo e-mail com o qual você comenta aqui na revista. Leva 2 minutos.
 
  • Rodrigo Cotton

    Filmaço. Confesso que me surpreendeu bastante, visto que não dava nada por ele.

  • http://www.facebook.com/people/Diego-de-Lacerda/100001697724667 Diego de Lacerda

    Verdade! É um filme bem diferente do que estamos acostumados. Eu curti, tem que se liberdar de certos preconceitos para entender a filosofia de trabalho. 

  • http://www.feedbackmag.com.br Fernando Henriques

    Senhores, agradeçam a quem lhes apresentou o filme, rsrs. Esse estilo com foco total no roteiro, sem efeitos e nem nada, me agrada muito. Sou viciado em dramas, e se estes foram engraçados também, melhor ainda.