Enquanto a Globo transmitia o Brasileirão, Hamilton vencia em Austin e se tornava tricampeão mundial de Fórmula 1

Enquanto a Globo transmitia o Brasileirão, Hamilton vencia em Austin e se tornava tricampeão mundial de Fórmula 1

0

Não foi a primeira vez que a emissora carioca deixou de transmitir uma corrida de Fórmula 1 para cobrir algum outro evento esportivo. Em 2004 foi a final olímpica de Vôlei que tirou a transmissão do GP da Bélgica, corrida no qual Michael Schumacher se consagrou heptacampeão. Após 11 anos, novamente a decisão de um campeonato de Fórmula 1 não foi transmitida ao vivo pela TV aberta.

 

Justamente o GP dos E.U.A. que teve a melhor corrida da temporada até aqui, onde teve de tudo, confusão nos treinos, devido ao furacão Patricia que passou pelo Pacífico. Corrida no molhado, depois no seco, disputas acirradas no pelotão da frente, mais confusão e batidas, safety car, muitas ultrapassagens e um erro no fim, cometida por Rosberg que fazia até ali sua melhor corrida, deu o título a Lewis Hamilton.

 

Mesmo que o título de Hamilton parecesse depender apenas de uma questão burocrática para acontecer, não tirou o mérito da emoção e agitação que foi a corrida norte-americana. Com isso Hamilton se consagrou tri campeão mundial de Fórmula 1, entrando no hall das grandes estrelas da categoria, como Jackie Stewart, Nick Lauda, Nelson Piquet e seu grande ídolo Ayrton Senna.

 

Dessa forma o britânico destacou o novo título conquistado como o mais especial –“Este título é especial, talvez até o mais especial, porque é o título com o qual eu igualo o Ayrton”, disse um emocionado Hamilton na entrevista coletiva organizada pela FIA após a corrida.

 

Austin, cenário de uma grande corrida; corada com o título de Hamilton.

Austin, cenário de uma grande corrida; corada com o título de Hamilton.

 
O ano de 2015 foi excepcional e avassalador para Hamilton, conseguindo 10 vitórias em 16 provas disputadas até o momento, conseguiu igualar outros recordes além do tricampeonato de Senna, quando ele se igualou com o brasileiro em números de vitórias, com sabor especial por essa marca ser alcançada no GP do Japão, palco onde Senna sacramentou os seus três títulos mundiais.

 

Na ocasião, disse: “ele não era do mesmo país que eu, mas foi o cara que me inspirou desde pequeno. Meu objetivo sempre foi conquistar os mesmos três títulos que Ayrton alcançou. Não sei o que vem depois, não há outro piloto que eu deseje me espelhar”, disse Hamilton.

 

Hamilton já provou que está acima da média e é um piloto mais do que especial, como muitos dentro do circo da Fórmula 1 já afirmaram, e alguns foram até mais ousados ao comentarem de que ele é uma lenda. Embora ele já tenha conquistado números expressivos, não é cedo dizer que Lewis será uma lenda, como Ayrton é, pois o que diferencia os dois pilotos embora brilhantes, é que o brasileiro em sua curta e meteórica passagem na categoria, foi repleto de grandes duelos e grandes rivais, tendo o maior destaque ao francês Allan Prost.

 

Atualmente temos uma boa geração de pilotos excepcionais, como o tetra campeão Sebastian Vettel, e o Bi campeão Fernando Alonso, que é dito como o melhor piloto do grid. Mas o que falta é uma disputa direta pelo título envolvendo pilotos de alto nível, atualmente na categoria. Cada vez mais difícil de ver disputas acirradas na briga por um título, desperdiçando o talento dessa geração, como foi o caso de Schumacher sendo multi campeão, porém de forma solitária e sem graça.

 

Na próxima temporada existe a possibilidade real de Vettel desafiar Hamilton na briga do campeonato, assim como uma melhora de Alonso voltar a ser competitivos, como os japoneses da Honda prometem. Dessa maneira todos saem ganhando, pois disputas intensas fazem que cada um explore ainda mais o potencial que já possuem, fazendo alcançar um patamar ainda maior do que já estão, caso eles realmente entre numa disputa direta entre si. Pois a busca de encontrar novos limites será mais intensa e quem ganha com tudo isso é o esporte e principalmente o público do automobilismo, que anda carente de encontrar nesse esporte alguma emoção da altura que é Fórmula 1.

 

Hamilton comemorando seu terceiro caneco.

Hamilton comemorando seu terceiro caneco.

Leandro Soares da Costa
Trabalhador e estudante de jornalismo. Reverencia a imprensa imparcial e é apaixonado por esportes, tanto futebol quanto corridas.

Leia também...

 
Dê mais vida a Feedback Mag., para sua imagem aparecer ao lado de seu nome nos comentários, cadastre-se no Gravatar usando o mesmo e-mail com o qual você comenta aqui na revista. Leva 2 minutos.