Debandada!

Debandada!

5

O primeiro estágio da vida de uma pessoa, normalmente é ruim. O primeiro estágio, em agência, da vida de uma pessoa, é péssimo. É triste ver um filhinho de papai, acostumado com aulas teóricas na faculdade, conseguir se dar bem de primeira no caos e correria do dia a dia de uma agência. Tô falando isso porque meu primeiro estágio foi o inferno na terra.


Não sei se vocês já passaram por isso, mas era o famoso lugar onde estagiários se transformam em escraviários. Trabalhávamos 10 horas por dia (ou mais), servíamos cafezinho e éramos motivo de diversão para os chefes. Chefes que desrespeitavam seus funcionários, na verdade, funcionárias, porque por algum motivo só contratavam mulheres.


Por alguma força divina desconhecida, consegui ficar lá por incríveis quatro meses (sim, isso é muito para aquele lugar). Nesse tempo vi pessoas saindo e entrando como se fosse um shopping, que você entra, faz o que tem que fazer e vai embora. Cheguei a achar que rotatividade era normal e por incrível que pareça, com meus poucos meses de agência, eu era uma das que estava lá há mais tempo.


Oi, tchau.

Oi, tchau.


Os chefes diziam que demitiam todo mundo por falta de capacidade de realizar as tarefas que eram passadas, que hoje estava difícil arrumar mão de obra qualificada e por isso o entra e sai de gente. Eles não tinham a menor vergonha de xingar e destratar as pessoas, uma vez dei uma ideia para um cliente e recebi a resposta simpática: “Você não tem que dar ideia, você é só estagiária. Tem que fazer o que pedimos e só”.


Até que um dia, nas fofocadas do almoço, descobrimos que os “demitidos” na verdade tinham pedido demissão, e não foram poucos não. Depois que eu pedi pra sair, virei a número 58 da agência (naquele ano) a dizer chega para esse tipo de comportamento. Hoje, se ela ainda não faliu, é porque ainda tem funcionário que aceita ser tratado igual capacho (às vezes por vontade, outras por falta de opção).

Giovanna Bevilacqua
Giovanna Bevilacqua tem 20 anos e é estudante de Jornalismo, Social Media da Depressão e cozinheira nas horas vagas (logo, nunca). Carioca apaixonada, cinéfila assumida, louca por séries de investigação e totalmente viciada em café. Uma das criadoras da página Analista de Mídias Sociais da Depressão. Nada do que ela diga deve ser levado a sério, sério mesmo.

Leia também...

 
Dê mais vida a Feedback Mag., para sua imagem aparecer ao lado de seu nome nos comentários, cadastre-se no Gravatar usando o mesmo e-mail com o qual você comenta aqui na revista. Leva 2 minutos.
 
  • http://www.feedbackmag.com.br Fernando Henriques

    Giovana, essa questão de só contratar mulheres para estágios e cargos menores é uma realidade muito grande. Muitos recrutadores e gestores ainda não são nem um pouco profissionais ao contratar, e aí os atributos físicos do sexo oposto se sobressaem aos conhecimentos verdadeiros. Quem nunca ouviu que “mulher bonita não fica desempregada”?

    • http://www.facebook.com/giovannabevilacqua Giovanna Bevilacqua

      É uma pena que certos chefes vejam apenas atributos e não qualidade. Além de desrespeitar todas elas (jogando papelzinho no decote e fazendo brincadeiras surreais) e não entender que mulheres tem TPM, que mulheres saem do normal quando brigam com o namorada e que muita mulher junta não dá certo. 

  • Anderson

    Giovanna, Isso não é uma coisa que acontece só nessa agencia não, já vi algumas fazerem isso também. Eu fico pensado, será que eles não estudaram gestão e não sabem que rotatividade só trás prejuízo, atrasos, e diminui a produtividade? Agora falando dos estagiários, na verdade nem vou comentar eu anexei uma imagem que já fala tudo!

    • http://www.facebook.com/giovannabevilacqua Giovanna Bevilacqua

      É uma pena isso né Anderson. Penso no estagiário igual a “prata da casa” no futebol. Você pega uma pessoa nova e lapida ela para que seja perfeita para o que você precisa, que se encaixe perfeitamente na sua maneira de trabalhar. Você cuida, protege e dá atenção para que ela queira ficar junto com e só sair se realmente fizerem uma proposta irrecusável. Mas a banda não toca assim!

      • Anderson

        Eu também penso exatamente isso… O Gerente ou dono tem a oportunidade de moldar um profissional como ele bem quer com as qualidades que ele deseja mas ao invés disso ele prefere explorar e humilhar seu pupilo rs.