Bolsonaro, um homem de coragem

Bolsonaro, um homem de coragem

2

Certa vez Olavo de Carvalho fez o seguinte comentário sobre o Bolsonaro:

 

Perguntam-me o que penso do deputado Jair Bolsonaro.
Quando eu era pequeno, meu pai fazia comigo a seguinte gozação:
– Pai, em quem você vai votar para presidente?
– Adhemar de Barros.
– E para governador?
– Adhemar de Barros.
– E para deputado?
– Adhemar de Barros.
E assim por diante.
Pois eu, sem gozação nenhuma, digo que votaria em Jair Bolsonaro para todos os cargos. Há muitos homens valentes neste país, mas ele é o mais valente de todos. Posso discordar dele num ou noutro ponto, mas tenho a certeza de que é um homem honrado e nunca decepcionará seus eleitores.

 

Sem dúvida alguma Jair Bolsonaro é, senão o mais, um dos homens mais valentes deste país. Não é panfletagem a seu favor, é apenas uma constatação. Quisera a Deus termos mais homens com a mesma coragem que o Bolsonaro na vida pública brasileira, especialmente na direita. No seu voto pelo impeachment, Bolsonaro, teve a coragem moral de lembrar do nome de uns do brasileiros mais injustiçados da nossa história recente: o Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, Chefe do DOI-CODI de São Paulo, e, consequentemente, enaltecer o Regime Militar.

 

Defender a Contrarrevolução de 1964 não é defender ditaduras. Quem defende ditaduras são eles, os mesmos que nos acusam de ditadores, que num malabarismo retórico conseguem se pintar de democráticos e nos acusar de fascistas. Defender o Regime Militar é, sim, defender a democracia. Se não fosse o movimento cívico-militar de 31 de março de 1964 poderíamos estar hoje numa ditadura comunista contando os mortos na escala dos milhões. Graças aos chefes militares e a líderes cívis de coragem como Adhemar de Barros, Carlos Lacerda e Magalhães Pinto preservamos a democracia.

 

Podemos, claro, contestar de forma pontual algumas medidas adotas ao longo Regime, mas de modo algum aceitar a retórica de Movimento Golpista. Eles, a esquerda, tentam reescrever história ininterruptamente de forma sistemática, e só obtém êxito devido a nossa fraqueza moral de enfrentar a opinião enraizada.

 

Quando nos envergonhamos em falar sobre 1964, quando assumimos uma mea-culpa abrimos espaços para que terroristas sejam tidos como heróis. Quem deveria se envergonhar pelas atitudes no passado são eles. Foram eles que tentaram aplicar um golpe e instaurar uma ditadura no país. Foram eles que sequestraram; eles que mataram e executaram em Tribunais Revolucionários; eles que roubaram; eles que espalharam o terror e o caos na sociedade; foram eles, e não nós.

 

Por conta de covardes do passado, os quais deixaram que os derrotados monopolizassem a narrativa dos fatos, a mentira foi perpetrada nas escolas e na sociedade, e hoje é vista como verdade. E por conta de covardes de hoje essa mentira continua sendo contada e bandidos são vistos como heróis, enquanto brasileiros de bem são vistos como bandidos.

 

Parabéns, Bolsonaro, pela coragem inabalável. Obrigado, Ustra, pela fiel cumprimento do dever!

 

E, viva a Contrarrevolução Democrática de 31 de Março de 1964!

Carlos Santos
Estudante de jornalismo, escritor amador, poeta de ocasião, cronista fortuito e colunista inconstante. Além de tudo, é um ex-comunista que dobrou a Direita.

Leia também...

 
Dê mais vida a Feedback Mag., para sua imagem aparecer ao lado de seu nome nos comentários, cadastre-se no Gravatar usando o mesmo e-mail com o qual você comenta aqui na revista. Leva 2 minutos.
 
  • Matheus Bernardes

    Inspirador. Precisamos ser mais assim e nos unir, só assim venceremos esses comunas.

    • Carlos Santos

      Só unidos venceremos. Críticas devem ser feitas internamente. Não podemos mostrarmos desunião, Bolsonaro é o único nome que temos e é com ele que vamos caminhar até 2018 para vencer o lulopetismo e esse mar de corruptos.