Thiago Penna

Domingo é Dia de Ócio. E de séries

0
Domingo é Dia de Ócio. E de séries

Domingo é, oficialmente, o dia do ócio. Numa tradição que remonta a criação da Terra e do universo, Deus gastou seis dias para fazer tudo que devia ter feito e um para descansar. Este dia, no caso, foi o domingo. Portanto, desde o início dos tempos, para a maior religião do mundo Ocidental, esse dia da semana serve ao descanso da mente e do corpo.

Continue lendo...

Amy Winehouse e o Oscar

0
Amy Winehouse e o Oscar

Escrevo este texto sem saber o resultado das manifestações do dia 13 de março. Independentemente do número de pessoas nas ruas, trata-se de um dia histórico, seja pela consolidação do Partido dos Trabalhadores no poder ou pelo fim de um ciclo que durou irônicos 13 anos. Como não sou vidente e o presente já me dá trabalho demais, não me arriscarei a dar palpites. Em um regime democrático, cada povo...

Continue lendo...

Porque a Folha de São Paulo contratou Kim Kataguiri?

1
Porque a Folha de São Paulo contratou Kim Kataguiri?

No último dia 18, o principal jornal do Brasil anunciou que o jovem Kim Kataguiri passaria a compor seu time de colunistas. A notícia por si só foi responsável por uma onda de indignação entre os leitores que ainda restam ao periódico.

Continue lendo...

George Orwell, a Mídia Ocidental e a Coreia do Norte

0
George Orwell, a Mídia Ocidental e a Coreia do Norte

A Coreia do Norte é uma das últimas ditaduras sobreviventes do período da Guerra Fria. Assim como Cuba, estamos falando de um país miserável, ilhado em meio a inimigos históricos (Japão, China e, é claro, a Coreia do Sul), que sobrevive graças a uma retórica belicista, uma educação voltada à militância política e o culto a um morto (Kim Il-Sung).

Continue lendo...

Precisamos Falar sobre Diogo Mainardi

0
Precisamos Falar sobre Diogo Mainardi

Diogo Mainardi pode se gabar de ser o jornalista vivo mais odiado pela esquerda brasileira. Em uma época em que a grande massa e a imprensa se iludiam com o aumento nos preços das commodities, lá estava ele afirmando o exato oposto.

Continue lendo...

Cara a Cara com Ali

0
Cara a Cara com Ali

Muhammad Ali é considerado o maior boxeador de todos os tempos. A fama nos ringues o alçou a um patamar só alcançado por outros grandes esportistas, tais como Pelé e Michael Jordan. Se outros personagens preferiram fazer uso da fama para proteger a própria reputação, resguardar o próprio legado ou acumular fortunas em campanhas publicitárias, Muhammad Ali (ou Cassius Marcellus Clay Jr.) preferiu o embate

Continue lendo...

A Volta de Quem Nunca Deveria ter Ido – Hermes e Renato

0
A Volta de Quem Nunca Deveria ter Ido – Hermes e Renato

Hermes e Renato voltou! O grupo mais politicamente incorreto da história do Brasil está de volta à TV e deu mostras que pretende continuar com a mesma anarquia que fez personagens como Joselito Sem Noção, Boça e Palhaço Gozo entrarem para a história da cultura pop tupiniquim.

Continue lendo...

O Anticapitalismo do Publicitário Ressentido

0
O Anticapitalismo do Publicitário Ressentido

“Os termos ‘capitalismo’, ‘capital’ e ‘capitalista’ foram empregados por Marx e são hoje empregados pela maioria das pessoas — inclusive pelas agências oficiais de propaganda do governo dos Estados Unidos — com conotação infamante.

Continue lendo...

Paulo Francis: o maior anti-herói do jornalismo brasileiro

4
Paulo Francis: o maior anti-herói do jornalismo brasileiro

Esse texto começa com uma autocrítica feroz: aconteceu comigo, acontece com outros estudantes e, infelizmente, é mais comum do que se pensa. Antes de introduzir o assunto central, é necessário fazer uma ressalva: se você faz jornalismo e se ofende com facilidade, pare por aqui!

Continue lendo...

Dane-se o Saci! Viva o Halloween!

0
Dane-se o Saci! Viva o Halloween!

Dia 31 de Outubro, ontem, foi Hallowen. Na terra do Tio Sam e em diversos outros países do mundo, crianças saem às ruas fantasiadas de temas fantasmagóricos pedindo doces. Os mais velhos também entram na brincadeira: são inúmeras as casas noturnas que aproveitam para faturar. Alguns estabelecimentos chegam a dar descontos para os fantasiados no intuito de capitalizar o buzz gerado pela data e engajar o seu público consumidor.

Continue lendo...
12