As gun free zones, o controle de armas e o cinismo da <br />esquerda

As gun free zones, o controle de armas e o cinismo da
esquerda

5

Quinta-feira, 01 de outubro de 2015. Umpqua Community College, Roseburg, Oregon. Data e o local de mais um massacre covarde, mais um banho de sangue cruel que a América vivencia na sua história. Mais um assassinato em massa.

 

De acordo com a Fox News, o assassino foi identificado como Chris Harper Mercer, 26 anos. Tanto a Fox quanto o site de notícias Truth Revolt – site fundado por Ben Shapiro e David Horowitz em 2013 – ainda investigam o plano de ação do agressor, exposto nas mídias sociais. Aparentemente ele invadiu uma sala de aula, enfileirou os alunos e perguntou a religião de cada um. Os que diziam ser cristãos recebiam um tiro na cabeça. Os demais, recebiam um tiro nas pernas. Ainda não é possível, porém, confirmar se este foi mais um ato de perseguição religiosa aos cristãos ou somente mais um indivíduo que decidiu matar pessoas.

 

O que é possível analisar é o discurso absolutamente revoltante de Barack Obama. Ao invés de lamentar as vítimas e prestar solidariedade às famílias, Obama preferiu fazer campanha pró-desarmamento. Nas palavras dele, tudo isso “se tornou rotina. O noticiário é rotina. Minha resposta aqui acaba sendo rotina. Nós nos acostumamos a isso”. Em seguida, ele disse que “não pode ser assim tão fácil para alguém que quer machucar outras pessoas, pôr as suas mãos numa arma”. E quando parecia que o presidente americano prestaria alguma solidariedade, continuou a fazer política: “Nossos pensamentos e orações não são suficientes. Eles não traduzem a dor no coração, a dor ou a raiva que deveríamos sentir. E não fazem nada para prevenir este tipo de ação na América”. Segundo Obama, a culpa é do Estado porque este não está fazendo o que deveria para proteger a população, isto é, uma política mais sólida de controle de armas.

 

Hillary Clinton, que busca a vaga do partido Democrata na disputa pela Casa Branca, foi pela mesma linha fria e eleitoreira. Nas palavras dela, “está acima da sua compreensão que estejamos vendo esse tipo de atentado com tanta frequência. Como eu disse, nós precisamos ter a disposição política para fazer tudo o que podemos para deixar as pessoas seguras. Eu sei que há um caminho para termos medidas de controle de armas razoáveis para ajudar a prevenir a violência, prevenir armas de caírem nas mãos erradas e salvar vidas. Eu estou comprometida a fazer tudo que puder para alcançar isso”.

 

Por sua vez, Donald Trump lembrou que há milhares de pessoas mentalmente doentes tanto nos EUA quanto no resto do mundo e que esse sempre será um problema. Charles Cooke, quando perguntado sobre o que fazer para garantir que pessoas mentalmente doentes não tenham acesso a armas, lembrou que, apesar de ser uma questão muito difícil, é essencial combater o tráfico ilegal de armas, porque é por vias ilegais que um criminoso geralmente tem acesso a uma arma.

 

E aqui temos o X da questão. O que Obama e Clinton cinicamente não disseram é que esses atentados frequentes ocorrem nas chamadas “gun free zones”, isto é, em zonas onde o porte de armas é proibido. Eles também não disseram que assassinos como esse podem até ter problemas mentais, mas são espertos o suficiente para não tentar algo do tipo em um local onde potencialmente um ou mais cidadãos possam estar armados e reagir (freando assim seu ímpeto por ceifar muitas vidas).

 

O que a esquerda, em geral, nunca diz é que é muito difícil prever esse tipo de ataque. Não há como adivinhar quando um criminoso comprará uma arma e realizará um assassinato em massa – mesmo que seja possível identificar padrões de comportamento que ajudariam na prevenção. Portanto, não é retirando as armas do cidadão de bem que se resolverá essa questão. Pelo contrário, ao se retirar as armas do cidadão de bem a população fica ainda mais desprotegida porque sua única chance de defesa lhe foi tomada pelo Estado.

 

No Brasil temos um grande especialista no assunto, o Dr. Bene Barbosa, que tem conseguido trazer luz à várias mentes no que se refere ao desarmamento e a política de armas. No vídeo abaixo ele explica o problema e comenta sobre as “gun free zones”.

 


Link Youtube | Debate sobre desarmamento com Bene Barbosa e Leonardo Mendes Memória – TV Canção Nova – 06/07/2015.

 

Eu espero que Bene Barbosa tenha sucesso ainda maior na sua missão, pois atualmente o Brasil inteiro é uma “gun free zone”. Estamos, portanto, completamente desprotegidos contra assassinos como esses que assolam a América. Imagine se a moda pega por aqui.

Pedro Henrique Franco
Pedro Henrique da Rocha Franco, nascido em 1991. Cristão, amante da leitura e apaixonado por futebol.

Leia também...

 
Dê mais vida a Feedback Mag., para sua imagem aparecer ao lado de seu nome nos comentários, cadastre-se no Gravatar usando o mesmo e-mail com o qual você comenta aqui na revista. Leva 2 minutos.
 
  • CM Styles

    ANALFABETO

  • jean carlos

    bom texo parabens

  • Jorge Silva

    Para os esquerdistas o que importa é o bem estar dos marginais

    • Antonio Carlos Sanches Valenti

      Pois é, como vemos o Bozo protegendo o Queiroz e seus amiguinhos. tsctsc

  • Antonio Carlos Sanches Valenti

    Cidadão de bem portando armas? Se é de bem para que arma? Piada hein!!!