A importânica de manter a “identidade do casal”

A importânica de manter a “identidade do casal”

1

Casei no mesmo dia do mês em que conheci meu marido. Não teria data melhor, e mesmo antes do casamento já valorizamos muito o dia 06 de Fevereiro.

 

Na nossa cabeça, podemos estar cansados, sofrendo no trabalho, com os afazeres da casa, quase sem tempo, não importa, se perdermos a magia do “Dia 6″ perdemos junto nossa identidade.

 

Fazer coisas juntos, sair para comer, ver filme, dançar – para quem gosta -, e conversar principalmente. Isso é o que chamo de indentidade do casal, perdida em muitos casamentos após o nascimento do primeiro filho.

 

Chame por outro nome se preferir, ou não chame de nada, o importante é o casal existir como casal. Usar um dia para simbolizaer isso ajuda, um dia onde algo deve acontecer. Um presente, uma surpresa, uma carta, alguma coisa que reforce o interesse de ainda estar junto.

 

A vida não acaba após o casamento, começa.

A vida não acaba após o casamento, começa.

 

Quero levar isso pra sempre, quero que nossos filhos cresçam vendo isso, que na adolescência eles saibam que dia 6 o papai vai chegar com uma surpresa pra mamãe, ou vai levar a mamãe pra sair. Quero dar a eles a chance de acreditar na beleza da vida, do amor, quero que saibam que tem valor, como homens, como mulheres, precisam se respeitar, não podem aceitar relações que os façam mal.

 

Não existe amor não correspondido, se não nem é amor!

 

Tudo isso faz parte da educação que quero dar, e que quero ter também, dentro do meu relacionamento. Dia 6 é especial, é mágico, é nossa vida! Sem esse dia, não teríamos nos conhecido, nos amado, não teríamos as crianças e não teríamos nada que temos. Tem que ser comemorado.

 

E vocês, comemoram mensalmente seus relacionamentos? Anualmente?

 

Claro que nem tudo dá certo todo santo dia 6; vivo longe de um conto de fadas. Mas nós tentamos, isso é importante, é aí que está o segredo. Tente também.

Pitty Henriques
Priscila Alvarenga Henriques é estudante de Pedagogia do ISERJ, professora dedicada, esposa, mãe, apaixonada por filmes e livros. Uma viciada assumida em adrenalina, havaianas e chocolate. No twitter: @pittyhenriques.

Leia também...

 
Dê mais vida a Feedback Mag., para sua imagem aparecer ao lado de seu nome nos comentários, cadastre-se no Gravatar usando o mesmo e-mail com o qual você comenta aqui na revista. Leva 2 minutos.
 
  • Leonardo Tigro

    Fazer coisas como um casal é bem legal, já provei disso, mas tão importante quanto estar perto é estar só (Um tempo sozinho). Um tempo consigo mesmo ou um tempo com os amigos também é necessário (Na minha opinião). Existem amizades que se perdem por achar que não serão valorizadas depois que se casa ou quando se está no começo de um namoro. O numero de amigos, afazeres e prioridades de vocês (Casal) aumentou, diminuiu ou continua o mesmo depois do casório?