A culpa é sempre do estagiário

A culpa é sempre do estagiário

3

O dia 11 de novembro de 2009 foi inesquecível durante minha vida de estagiário. Dia seguinte ao “apagão” que deixou todo o Brasil e o Paraguai sem luz, um engraçadinho deixou um recado colado na tela do meu Mac, com a seguinte frase: “Em Itaipu o chefe disse: o último a sair, não se esqueça de apagar todas as luzes! O estagiário, que infelizmente ficou por último, levou ao pé da letra e causou o apagão!”. Foi exatamente nesse momento que comecei a perceber quanto essa classe sofre!


Justamente ou injustamente? Não importa, a culpa é sempre do estagiário. Sempre que alguém faz algo errado no trabalho, a primeira frase que se escuta é: “Isso é coisa de estagiário!”. Mas será mesmo? Um profissional pró-ativo nos últimos períodos da faculdade é tão inferior a um profissional com tempo de casa, porém obsoleto? Vamos com calma nessas comparações, analisando todos os fatos antes de julgar o grande culpado.


Para mim, na maioria dos casos, a culpa é realmente dos estagiários, pois já perdi as contas de quantos anúncios foram para as gráficas com erros gritantes, muitas vezes causados por falta de atenção de quem faz. Quantas planilhas foram disseminadas com dados equivocados por uma mera distração, ou até mesmo alguns contratos que deixaram de ser fechados, pois “alguém” esqueceu de marcar a reunião. Não preciso nem falar quem foi né…


Por isso, alguns cargos são ocupados especialmente por estagiários, tais como: chefe-supervisor de desentortar grampo, atendente de telefone júnior, colador de selos bilíngue (duas lambidas) e xerocador adjunto. A verdade é que todos os profissionais sabem que podem ser muito mais que isso, e realmente, caso lhe seja dada uma oportunidade, dá pra fazer a diferença em uma empresa.


Estagiários... Sempre com as melhores tarefas!


Em algumas organizações, o estagiário é apenas mão de obra barata, que não reclama e faz o trabalho de um profissional formado por metade do salário. Para estas, apenas posso dizer que estão redondamente enganadas, eles têm muito valor. Uma empresa que valoriza seu estagiário, dando suporte para que ele tire suas dúvidas, dando tempo para que ele possa conciliar a faculdade e seu emprego, e que, principalmente, lhe dê possibilidade de crescimento, tem todas as ferramentas necessárias para ter um exímio profissional em suas mãos.


Resumindo: Para as empresas o estagiário é um mal necessário, e para os estagiários, a empresa é uma oportunidade.


Antes de ser apedrejado, gostaria que todos soubessem que fui estagiário durante dois anos e meio no total, e em duas empresas diferentes, portanto falo com propriedade sobre o assunto. Sei como é difícil o papel de ser uma das pessoas que mais trabalha e tem uma remuneração que beira o ridículo.


Abaixo um vídeo, em duas partes, que retrata bem o papel dos estagiários:


Entrevista com estagiário – Parte 1


Entrevista com estagiário – Parte 2


Crédito dos vídeos: Veralana RH.

Felipe Mariano
Felipe Mariano Ferrão Gonçales está enrolando muito para finalizar a sua faculdade de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda. Trabalha como Diretor de Arte na Agência Sides. É apaixonado por lutas e praticante de luta livre esportiva. Torcedor fanático do Flamengo, não consegue ser imparcial quando o assunto é seu time de coração.

Leia também...

 
Dê mais vida a Feedback Mag., para sua imagem aparecer ao lado de seu nome nos comentários, cadastre-se no Gravatar usando o mesmo e-mail com o qual você comenta aqui na revista. Leva 2 minutos.
 
  • http://www.ferreirakp.blogspot.com Kleiton Ferreira

    Caro Felipe! Muito interessante sua crítica sobre os estagiários, e você tem toda razão mesmo. Se existe alguém errado em uma determinada situação, este será sempre o estagiário. É uma subcultura desenvolvida por empresas onde não se valoriza com rigor o trabalho de um estagiário. Primeiro poque ele está ali para aprender e não para assumir funções. Seu trabalho é limitado até o momento em que ele se sinta seguro para assumir a titularidade da função, enquanto alguns “profissionais (de)eficientes”, deixam de fazê-lo. Aliás se alguém quiser que um trabalho seja feito, peça a um estagiário. este com certeza sempre estará disposto a fazer. É um preconceito que existe, e como tal deve ser eliminado. O estagiário é um aprendiz, que ajuda nas tarefas, mas não pode (e não deve) carregar sobre os ombros as responsabilidades dos outros.

  • Alan Ribeiro

    acredito que na verdade existe toda uma classe que sofre esse pré conceito e são eles os estagiários, os ajudantes de (cozinha,pedreiro)etc…
    auxiliares de (ADM, DP e RH)etc… porém o mundo da voltas e ou estagiário de hoje será o chefe de amanhã.

  • Juliana Cavalcanti

    Concordo plenamente! principalmente no que diz respeito a preocupacao da empresa com o estagiario, com relacao a conciliacao do tempo estudo x trabalho, para que ambos sejam devidamente aproveitados e bem executados.

    Com relacao a culpa ser sempre do estagiario, cabe a empresa nao colocar atividades de tamanha importancia nas maos de um estudante/profissional. A outra solucao é instrui-lo corretamente, de forma que erros grotescos nao ocorram, o que nao minha opniao e o ideal, ja que estagiarios estao em busca de oportunidades para mostrar o que sabem, e principalmente, conhecimento de quem ja sabe.